Inovação e criatividade em sistemas computacionais

Engenheiro especialista em sistemas Web e Android, CSM

Os jogos estão presentes em nossa cultura há alguns anos, se popularizando principalmente com a venda de consoles de jogos como o Atari e o Super Nintendo. Hoje em dia, temos jogos presentes em muitas de nossas atividades. Existem jogos nas redes sociais, jogos para consoles, computadores, celulares e TVs. Atividades como se exercitar, sair e até mesmo trabalhar estão sendo modificadas e integradas a jogos. Mas porque gostamos tanto desses jogos? É divertido acessar a cada hora sua fazenda virtual para colher morangos?

Fazendeiro de morangosPodemos notar a diversão desse fazendeiro colhendo morangos e usando crocs

Existe um tema de estudos na psicologia chamado Behaviorismo ou comportamentismo e um autor bastante estudado é B.F. Skinner. Ele estudou o comportamento de animais, como eles reagem a estímulos de recompensa e punição e criou um dispositivo que foi chamado de caixa de Skinner, onde ratos são submetidos a estímulos como choques, sons e comida, dependendo do comportamento deles. Ratos presos nesses dispositivos, após um período inicial de treinamento, passam a sua vida inteira apertando uma alavanca compulsivamente. E agora vem a parte mais interessante: a mesma coisa que foi feita com os ratos está sendo feita hoje com os usuários de jogos.

Existem campos de estudo no desenvolvimento de jogos sobre como desenvolver jogos que funcionam como uma caixa de Skinner. Isso se tornou necessário porque, no momento atual, os jogos estão adotando um modelo de assinatura onde o mais interessante é manter os jogadores presos no jogo por muito tempo. Como não existe história ou trama que possa durar um tempo indeterminado, é necessário um modelo que prenda os jogadores fazendo a mesma coisa sempre, gostando ou não e é aí que entra a caixa de Skinner. Tudo que precisava ser feito era criar uma ração virtual para que as pessoas ficassem motivadas e apertassem a alavanca. E é exatamente isso que foi feito.

Exemplo de caixa de Skinner O dispositivo idealizado por B.F. Skinner

Primeiro foram criados os itens virtuais e os jogos ficaram inundados de itens cobiçados pelos jogadores, que precisam gastar horas de jogo ou dinheiro para adquiri-los. E as pessoas fazem isso!

Isso acontece porque o nosso cérebro trata itens virtuais como se eles fossem reais. Não importa se uma espada é feita de aço ou de dados, o item tem valor e não há nada de errado nisso. Da mesma forma que as pessoas compram um anel de diamantes só porque ele é bonito, um celeiro virtual é bonito e te oferece uma vantagem no jogo. Em ambos os casos, se está pagando por uma idéia e o valor existe.

Armadura de world of warcraft Cadê o bullying agora, hein?

Outro fato interessante é que não há limite para a ração. Ela pode ser oferecida de diversas formas, então jogos mais complexos oferecem pontos de experiência, níveis, achievements, posts em rede social. O céu é o limite. Definida a ração, basta agora fazer com que a alavanca seja apertada.

Vários estudos da caixa de Skinner foram realizados para se descobrir que condições maximizavam o número de apertos na alavanca. Se a ração fosse fornecida a intervalos regulares de tempo, a alavanca não seria apertada. Se a ração fosse fornecida depois de um certo número de apertos, os ratos aprendiam e se tornavam preguiçosos. O melhor resultado foi utilizar uma taxa de recompensa aleatória, ou seja, após um aperto, pode ser que caia a ração. Ou não. Se assemelhando a uma máquina caça níqueis, onde a próxima moeda pode te deixar rico. Ou a próxima.

Prêmio ruim Droga, ganhei outro biscoito. Quem sabe daqui a uma hora eu ganhe aquele trator vermelho.

Porém, diferentemente dos ratos, os humanos podem buscar estímulos em outros lugares. Sendo assim, os jogos precisam levar a caixa a um outro nível, para que o jogador não queira parar de jogar. Algumas técnicas são:

Combinando todas as técnicas acima e usando uma taxa de recompensa aleatória pode-se fazer um jogo altamente viciante e podemos associar as técnicas citadas acima a diversos jogos que conhecemos, sejam jogos de celular, de redes sociais, MMORPGs ou diversos outros gêneros. Muitos jogos ainda provém um senso de diversão, quando você desenvolve uma habilidade, como guitar hero ou jogos de tiro, por exemplo, mas existem jogos que não trazem nada, que funcionam apenas como uma alergia e só causam coceira.

Coceira Ainda não olhei minha fazenda hoje, será que meus vizinhos roubaram meus morangos?

É claro que ninguém obriga as pessoas a jogar estes tipos de jogos, mas o fato é que eles preenchem uma lacuna na vida de pessoas que não estão satisfeitas pessoal ou profissionalmente.

Pesquisas indicam que 3 fatores são essenciais para se chegar a uma satisfação profissional. Eles são a autonomia, você tem poder de decisão no que você tem que fazer diariamente, complexidade, suas tarefas não são entediantes e envolvem um raciocínio e a conexão entre esforço e recompensa. Em geral, pessoas em início de carreira não apresentam estes fatores presentes no seu dia a dia. Os jogos são especialistas em fornecer cada um deles de forma que você opte por transformar essa caixa de Skinner na sua própria realidade.

Se você acha que os jogos de hoje estão sendo cruéis, isso é só o começo. Os desenvolvedores estão apenas aprendendo e as tecnologias estão começando a ficar mais envolventes e apelativas. Qual a sua opinião? Deveria haver alguma fiscalização em cima de jogos desse tipo? Se você já fez alguma pesquisa nessa área ou se interessa pelo assunto, entre em contato e divida seus pensamentos.

Desenvolvido por Vítor de Almeida, otimizado para os navegadores Chrome e Firefox
Página construida usando HTML5 e CSS3